Business

O QUE SÃO AS RELIGIÕES?

rel
Nos recentes acontecimentos que agitaram as opiniões sobre a veracidade das crenças afro-brasileiras, são visíveis alguns pontos.

Sabemos de antemão que as palavras que levaram à dissidia foram retiradas, porém há ainda o que se falar a respeito.

O primeiro ponto é que é notória a existência de frequentes ataques públicos contra a umbanda e o candomblé.

O segundo ponto foi observar que ainda há o desconhecimento que os adeptos da umbanda e candomblé as consideram religiões.

O terceiro ponto é a afirmação que uma religião tem que ter um texto-base que lhe caracterize. Podemos citar que Allan Kardec , que organizou o Pentateuco da Doutrina Espírita, não considerou o Espiritismo como religião, e sim como Filosofia, embora se remetendo a Deus, de forma que quem segue o Espiritismo , acredita estar seguindo uma religião e isto é respeitado por todos.

Quem estuda a Umbanda, busca na fonte de Zélio Fernandino de Moraes as verdades trazidas pelo Caboclo das Sete Encruzilhadas, transcritas através de Leal de Souza, Mata e Silva, Benjamim Figueiredo, Cavalcante Bandeira,Emanuel Zespo, Lourenço Braga, Diamantino Trindade, Rivas Neto e mais recentemente Marco Boeing, Rubens Saraceni,Roger Feraudy, Norberto Peixoto e muitos, muitos outros escritos trazendo as bases, que são: crença reencarnacionista, busca da melhoria pessoal através da prática constante da Caridade, respeito às entidades representadas pelos pretos velhos, caboclos e crianças, fundamentos inalienáveis como o culto à Natureza e aos Orixás, e aos rituais sagrados que trazem alento, compreensão, fórmulas de Saúde e Paz e a busca do Amor, Igualdade, Liberdade e Solidariedade na Terra.

Embora sem ter os conhecimentos profundos necessários para o entendimento do Candomblé, tenho absoluta certeza que suas bases não escritas, são tão válidas quanto um livro escrito pelos homens, porque estão impressas no consciente coletivo dos adeptos, através de tradição oral, forma milenar de aprendizado e solidificação de cultura e crença.

O quarto ponto que gostaria de comentar é que independente de acreditarem ou não nas práticas afro-brasileiras, é importante que se faça uma análise, para que se verifique que hoje estão confundindo autenticidade nas palavras com falta de educação. Todo mundo quer ser autêntico, bate no peito e diz eu penso assim e acho isto ou aquilo, doa a quem doer. E dói realmente, palavras eivadas de preconceito e falta de visão sobre a verdade do próximo. Pois se cada um tem sua verdade, não é preciso usá-la como arma, sob o risco de cair na armadilha da grosseria, da indelicadeza, gerar uma ambiência belicosa que não traz nada de bom, pois invade o limite alheio e tem o potencial de gerar ações desequilibradas que terminam por atitudes destrutivas, como temos visto nos relatos policiais , das quebradeiras em templos, nas agressões a inocentes que querem apenas honrar seu Deus à sua maneira.

Para não me estender muito , tenho de citar o quinto e último ponto, que é refletir o que é se ter um a religião. Pois é muito fácil falar, sou católico, sou evangélico, sou umbandista, ou candomblecista, por exemplo. Mas quantos estão seguindo os preceitos e fundamentos, levando-os para fora dos templos e terreiros? De que adianta decorar livros de mil páginas, duas mil páginas e não se praticar uma linha? Quantos oram ao se levantas e ao dormir, agradecendo pelo seu dia, analisando suas ações e se propondo dia após dia melhorar-se? Quantos praticam com fé seus rituais, suas preces, e praticam integralmente aquilo que dizem que acreditam? Quantos verdadeiramente respeitam seu próximo isentos de antolhos e obstáculos ao entendimento e a compreensão?

Vejo muitas pragas lançadas, pedidos de amarração, solicitações de milagres, mágoas , revolta e raiva acumuladas, mas pouca firmeza ao se crer, ao se fazer, ao se construir.
Houve um equívoco, e ele ainda lá está, pois os vídeos agressivos praticamente subentendem passe livre para atos destrutivos.

Mas não é a Lei dos homens que deveria estar regendo isto, mas a consciência de cada um, de observar que o mundo não suporta mais tanta violência e desencontros e miséria moral. Se cada um fizer a sua parte, despido das vaidades , mazelas e ressentimentos verá muito claramente que a Verdade absoluta é uma só: Do pó vimos e do pó voltamos, e neste ínterim, deveríamos estar tentando mostrar aos nossos filhos que vale a pena estar neste grande organismo vido que é a terra, e ela está precisando , não de verdades pessoais, mas de mãos à obra, de luta contra a pobreza, fome e desigualdade, do fim das guerras, para que haja o silencio necessário para ser ter um real encontro com a Divindade.

 

Alex de Oxóssi

Rio Bonito - RJ
COMPARTILHAR:

+1

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

COMPRE NOSSO LIVRO - ATÉ 12x SEM JUROS

 POVO DE ARUANDA I, II e III

Clique na imagem e compre o livro!

Teste Teste Teste

Teste Teste Teste Teste