Business

ANO NOVO - TEMPO DE REFLEXÃO

c3





A Terra, nosso domicílio planetário, alheia a todas as especulações e teorias, cumpriu mais um giro completo em volta do Sol.

E aqui estamos, nas festas de fim de ano, tempo para renovarmos nosso vigor, nossa Fé, nossa emoção.

Porque precisamos andar com Fé, precisamos construir nossas bases com Amor, precisamos olhar para frente com Força, Coração e Decisão. Somos nós que fazemos nossos caminhos, na orientação dos nossos arquivos reencarnatórios. E nunca devemos esquecer a presença constante de nossos guias espirituais, nossos amigos incondicionais, que estão junto aos nossos passos para nos ajudar, livrando-nos dos perigos que não nos cabe, e ajudando a suportar as provas necessárias de resgates perdidos no tempo.

É o momento certo para procurarmos com a Natureza, templo dos Orixás, entregando nossos medos, nossos desacertos, nossas mágoas. Vamos despachar as nódoas da alma e deixá-la nova em folha. Mirarmo-nos no espelho d’ água do mar tranquilo e vermos a Iemanjá estendendo seus braços ornados de pérolas, nos assegurando sua proteção. Banharmo-nos na cachoeira e sentirmos o poder e o Amor de Oxum. E no arroio de águas tépidas, sentirmos a serenidade e o rigor de Nanã Buruquê.

No pensamento ou pela experiência física, não importa, vamos percorrer os reinos dos orixás. A mata verde e vívida de Oxóssi, e sentirmos o oxigênio puro penetrar a mente e aguçá-la, escutar o sibilo da flecha e aspirar ao aroma forte das ervas de cura. Vamos sentar diante da pedreira feita de seixos e minerais, e absorver a Força Pura dos elementos de Xangô, para termos mais discernimento nas escolhas.

Caminhemos sentindo o vento turbilhonar ao redor, vamos absorver a Força e a Pertinácia de Iansã, pedindo-lhe para nos guiar, desviando os perigos que nos ameacem.

E vamos fechar o olhos, imaginar o metal sob movimento, vamos nos ver nos caminhos, ouvindo o barulho da armadura e das armas de Ogum nos escoltando, nos mostrando que embora haja perigos, não é para se ter medo algum, pois Ogum nos irá guiar pelas noites mais escuras, pela solidão mais dolorosa, pelo turbilhão mais fragoroso em nossas almas. Estará ali, com seus falangeiros, todos com porte altaneiro, sabendo da tarefa de alta responsabilidade de nos guiar, nos proteger, nos manter de pé.

E prostando-nos fervorosamente ao chão, vamos dirigir uma prece ao Pai Oxalá, vinda de nossa alma, onde, com nossos olhos interiores vamos buscar o céu e as estrelas e pedir com toda humildade, que tenhamos um pouco mais de Luz, Compreensão, Sabedoria e Paz em nossos corações. Vamos pedir para Oxalá nos ensinar a não reclamar, agredir ou lamuriar, e no silêncio das horas só dispormos de nossas energias para o Bem, para edificar nossos passos com moral, firmeza e esperança.

Aproveitem meus irmãos e irmãs de Fé, nesse tempo em que as tarefas terrenas se atenuam, para fazer esta viagem espiritual, para cada um encontrar seus Orixás e falangeiros, obter tarefas, descobrir respostas, mas sobretudo para receber forças e subsídios para cada um trilhar o seu caminho, respeitando os demais, mas sempre que possível, somando e acrescentando, sem esperar ou exigir nada, apenas a Felicidade de caminhar compartilhando.

Assim Seja!


Alex de Oxóssi
Rio Bonito - RJ
COMPARTILHAR:

+1

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

COMPRE NOSSO LIVRO - ATÉ 12x SEM JUROS

 POVO DE ARUANDA I, II e III

Clique na imagem e compre o livro!

Teste Teste Teste

Teste Teste Teste Teste