Perdão e a evolução

 


Quantas vezes, através da nossa existência, temos escutado falar sobre a importância de perdoar?


 


E quantas vezes pensamos na vacuidade dessas palavras ditas a modo de sermão ou de discurso retórico?


 


Com certeza que não paramos um momento para perceber o outro lado, a outra cara do perdão… Aquela da qual  não se fala mas que é de importância fundamental.


Eu diria, desde o meu modesto ponto de vista, que perdoar é uma questão de inteligência.


 


Através do nosso passo pela vida, experimentamos diferentes situações, que no levam a sofrer ou gozar alternativamente dos fatos que acontecem, dos sentimentos que nos envolvem, dos pensamentos que muitas vezes nos dominam e não percebemos que a cada pensamento, a cada palavra, a cada ação, nos mesmos estamos forjando o nosso presente e o nosso futuro.


 


Assim transitamos por esta existência carregando nossa alma de alegrias, às vezes, e muitas outras de tristezas, medos, culpas, raivas, ressentimentos e até de desejo de vingança. 


 


Não temos a consciência de que cada palavra, cada ação, cada pensamento toma forma, se plasma no mundo astral e volta a nosso plano materializado, afetando em primeiro lugar a nós mesmos.


 


De que forma? Impregnando nossa aura de vibrações negativas, diminuindo seu tamanho, trocando as belas cores vibrantes indicadoras de boa saúde física, mental e espiritual, pelas cores escuras e sem brilho que facilitam a sintonia com entidades do baixo astral.


 


Assim começam a maioria de nossas doenças, tanto as de origem emocional quanto as que se instalam no corpo físico, muitas vezes sem alternativa de cura. 


 


Perdoar é o caminho mais curto e o mais seguro para alcançar o Amor Universal, esse amor que nos levará a qualquer tipo de cura.


 


Perdoar aos outros e, em primeiro lugar, a nós mesmos. Em uma palavra, libertar-nos, fluir livremente pela vida, para nos livrar das amarras que nos impedem de transitar pelo caminho da nossa evolução, de retorno a Deus.


 


É impossível pretender subir degraus, por pequenos que eles sejam, se não conseguimos perdoar e libertar-nos dessas correntes. 


 


Também, meus Irmãos, é impossível pretender nenhum tipo de iniciação religiosa ou esotérica, se não conseguimos primeiro perdoar e perdoar-nos, desde o mais profundo do nosso coração, com um sentimento verdadeiro.


 


Quando escutamos ou lemos discursos de pessoas que são supostamente "iniciadas", de "mestres de iniciação", que teriam a autoridade moral e religiosa para mostrar o caminho a seus semelhantes, e os descobrimos cheios de vaidade, de egolatria e de hipocrisia, onde se notam muitas coisas menos o exercício do perdão e a pureza de coração, chegamos a entender vivamente as palavras do Cristo Jesus quando falou do perigo que representam os falsos profetas.


 


É impossível convencer a ninguém que nos foi discorrido nem um dos véus dessa Senhora de Sete Véus, dessa Senhora da Luz Velada, que é a Umbanda, se demonstramos que não temos sido capazes de atingir sequer a capacidade de perdoar, uns dos primeiros requisitos, junto com o exercício de uma autêntica humildade e caridade, indispensáveis para se auto proclamar umbandista. 


 


De que maneira pretenderemos acelerar nosso resgate se somente acrescentamos débitos na nossa ficha cármica?


 


O ódio e o ressentimento não são o melhor caminho, nem para esta vida nem para outras.


Se temos alguma possibilidade de ver o retorno dos nossos esforços nesta vida, não será utilizando esses meios que o conseguiremos.


 


O perdão dissolve o ressentimento,  limpa nossa aura e nossa alma, deixa-nos mais leves e limpos elevando nossas vibrações e,  permitindo-nos assim nos sintonizar com aquelas entidades de luz que estão perto de nós para nos ajudar, e as quais recorremos muitas vezes em busca de ajuda, e não podem fazê-lo ou resulta-lhes muito difícil por causa de nossa baixa freqüência vibratória. 


 


Hoje em dia existem inúmeras técnicas psicológicas para conseguir esse beneficio, se não lograrmos atingi-lo por nossos próprios meios, tais como Programação Neuro-Linguística, Renascimento, Bioenergia, Meditações, Afirmações, etc., etc., mas nada lograremos se antes de adotar alguma dessas técnicas, não estivermos firmemente convencidos da importância de perdoar.


 


Tomemos consciência e escutemos nossa voz interior, que com certeza, o caminho nos será indicado. 


 


 


Por isso perdoar é uma questão de inteligência.


 


 


(www.nativa.etc.br)

Nenhum comentário:

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

LIVRO:POVO DE ARUANDA VOL I, II e III


COMPRE EM ATÉ 12 x SEM JUROS



 POVO DE ARUANDA I, II e III

Clique na imagem e compre o livro!

Este é a união dos três volumes, que foram divididos apenas para ficar mais em conta cada volume, estes três volumes são o conteúdo deste Blog, clique na imagem e será direcionado onde o mesmo poderá ser adquirido.